Soldados S.m. alistado nas fileiras do exército; qualquer militar.
Fig. militante, partidário, paladino.

Uma coleção de soldados do nosso século onde a minha análise cabe aos seus equipamentos e NÃO as suas condutas e pretensões tanto políticas quanto religiosas. Por mais difícil que isso seja.
Soldados do 5o batalhão do Regimento Real Australiano avançando sobre a posição inimiga (durante um treinamento) com o apoio dos blindados anfíbios de assalto. 
Na imagem, um soldado portando o novíssimo rifle padrão do exército australiano, o Austeyr EF-88 (variação australiana mais moderna e poderosa da Steyr AUG). 

Soldados do 5o batalhão do Regimento Real Australiano avançando sobre a posição inimiga (durante um treinamento) com o apoio dos blindados anfíbios de assalto. 

Na imagem, um soldado portando o novíssimo rifle padrão do exército australiano, o Austeyr EF-88 (variação australiana mais moderna e poderosa da Steyr AUG). 

Soldado curdo das Forças Peshmerga observando a movimentação dos militantes iraquianos ao fundo. 
Com uma metralhadora apontada (boa para fazer fogo pesado em médias distâncias e regular à longas), o soldado do Curdistão da imagem ainda tem à disposição um rifle AK de coronha retrátil para combates de média e curta distância onde ele precisaria de maior mobilidade.
Não é regra, mas quando soldados cobrem quase todo o corpo com tecidos em lugares muito quentes, não é para somente não serem identificados, mas para evitar a desidratação acelerada causada pela exposição da epiderme à lua solar.  
Fotografia: Rick Findler / junho 2014

Soldado curdo das Forças Peshmerga observando a movimentação dos militantes iraquianos ao fundo. 

Com uma metralhadora apontada (boa para fazer fogo pesado em médias distâncias e regular à longas), o soldado do Curdistão da imagem ainda tem à disposição um rifle AK de coronha retrátil para combates de média e curta distância onde ele precisaria de maior mobilidade.

Não é regra, mas quando soldados cobrem quase todo o corpo com tecidos em lugares muito quentes, não é para somente não serem identificados, mas para evitar a desidratação acelerada causada pela exposição da epiderme à lua solar.  

Fotografia: Rick Findler / junho 2014

Eu, ainda criança, em 1989 em alguma cidade gaúcha a passeio. 
Quando pequeno, um dos meus hobbies preferidos era visitar com a minha família as unidades dos Corpos de Bombeiros, Brigada Militar (mesma coisa que Polícia Militar), bases e museus militares. Como tínhamos amigos e familiares nas polícias e exércitos (Brasil e Suécia) era quase uma tradição o assunto em casa. Naquela mesma época, eu deslumbrava ser piloto de caça e me imaginava salvando amigos e nações inteiras do perigo iminente com meu caça F16. Me atirava em frente a TV para assistir aos filmes da “Sessão da Tarde” ou “Cinema em Casa” que passavam muitos longas-metragem de guerra, policial e aventura dos anos 80. 
Se você for da minha geração, ou é um cinéfilo absoluto, certamente conhece alguns filmes destes gêneros como Braddock, Rambo, Top Gun, Mad Max, Robocop, Predador, Nascido Para Matar, K-9000, Bom dia Vietnam, Exterminador do Futuro, Duro de Matar, Máquina Mortífera, Indiana Jones e tantos outros. 
Eu sempre gostei e continuarei a gostar da ideia de você ser um militar/policial/homem da lei INTEGRO, INCORRUPTÍVEL, JUSTO, CORAJOSO e MADURO. 

Eu, ainda criança, em 1989 em alguma cidade gaúcha a passeio.

Quando pequeno, um dos meus hobbies preferidos era visitar com a minha família as unidades dos Corpos de Bombeiros, Brigada Militar (mesma coisa que Polícia Militar), bases e museus militares. Como tínhamos amigos e familiares nas polícias e exércitos (Brasil e Suécia) era quase uma tradição o assunto em casa. Naquela mesma época, eu deslumbrava ser piloto de caça e me imaginava salvando amigos e nações inteiras do perigo iminente com meu caça F16. Me atirava em frente a TV para assistir aos filmes da “Sessão da Tarde” ou “Cinema em Casa” que passavam muitos longas-metragem de guerra, policial e aventura dos anos 80. 

Se você for da minha geração, ou é um cinéfilo absoluto, certamente conhece alguns filmes destes gêneros como Braddock, Rambo, Top Gun, Mad Max, Robocop, Predador, Nascido Para Matar, K-9000, Bom dia Vietnam, Exterminador do Futuro, Duro de Matar, Máquina Mortífera, Indiana Jones e tantos outros. 

Eu sempre gostei e continuarei a gostar da ideia de você ser um militar/policial/homem da lei INTEGRO, INCORRUPTÍVEL, JUSTO, CORAJOSO e MADURO. 

Voluntários das forças de segurança iraquiana assistem a um membro treinar uma das técnicas para se disparar metralhadoras contra alvos aéreos. 
Neste caso, pela ausência de um tripé adequado, o instrutor orienta o soldado a pronar de costas e erguer com o máximo de firmeza a metralhadora para o alto. 
Fotografia: Mushtaq Muhammed / junho 2014

Voluntários das forças de segurança iraquiana assistem a um membro treinar uma das técnicas para se disparar metralhadoras contra alvos aéreos.

Neste caso, pela ausência de um tripé adequado, o instrutor orienta o soldado a pronar de costas e erguer com o máximo de firmeza a metralhadora para o alto. 

Fotografia: Mushtaq Muhammed / junho 2014

Não Há Dia Fácil (de Mark Owen)
Livro que citei no meu post anterior. #ficaadica

Não Há Dia Fácil (de Mark Owen)

Livro que citei no meu post anterior. #ficaadica

Esse cão da imagem é Cairo, um Pastor Belga Malinois (se lê “malinoá”), famoso por ter trabalhado com os SEALs na operação Lança de Netuno que resultou na morte de Osama bin Laden. Fotografia por Adam Ferguson.
Os cães da variação Malinois são considerados os melhores cães de combate por vários aspectos como inteligência, faro, obediência e ataque. Posso afirmar que são cães dóceis. Tenho a Lua, ela é dessa raça e está com nove anos. Muito rápida e ataca qualquer um que se aproxima de mim muito rápido. Entretanto é um cão dócil que se acostuma rápido com pessoas que lhe proporcionam carinho físico. 
Agora falando da Operação Lança de Netuno, recomendo muito o livro Não Há Dia Fácil onde todo o treinamento SEAL é comentado até o dia da morte de UBL na missão bem sucedida. O livro é fácil de ler e possui imagens de equipamentos e fala bastante da dificílima rotina de um membro do DEVGRU (Força Especial da força especial SEAL que responde somente para o Secretário da Segurança Nacional e para o Presidente dos EUA). 
Antes de finalizar, vou adiantar algumas coisas que o SEAL que escreveu o livro citado acima diz em sua obra sobre o Osama bin Laden. No livro, o autor apresentado como Mark Owen (ele mesmo explica que o nome é fictício por questões de segurança nacional) diz que Osama tinha três nomes entre os SEALs e os analistas da CIA (a agência de inteligência americana). O mais comum era UBL já que em alguns documentos da CIA o terrorista tinha o seu nome traduzido do árabe como Usama e não Osama. O segundo nome foi o divulgado na imprensa logo após o anúncio de seu assassinato. O codinome dado a ele era Geronimo e foi o que vimos na TV sendo divulgado “Geronimo KIA” (KIA é a sigla americana para MEC ou Morto Em Combate). O terceiro e mais interessante é o nome dado ao suspeito de ser o Osama bin Laden pelos analistas da CIA. O terceiro nome era “Caminhante” já que, ao localizarem a casa onde bin Laden se escondia, a CIA apenas via o movimento da casa através de um drone espião (Predator) e percebiam que nos mesmos horários e dias da semana um homem alto saída de dentro da casa por uma porta específica e ficava caminhando por horas dentro do pátio como se estivesse percorrendo um circuito. Mais tarde se confirmara que de fato o “Caminhante” era Osama bin Laden. 
Mais fotos de cães de combate: http://goo.gl/kwrOzH
Compre o livro porque é excelente: http://goo.gl/UFJfE6

Esse cão da imagem é Cairo, um Pastor Belga Malinois (se lê “malinoá”), famoso por ter trabalhado com os SEALs na operação Lança de Netuno que resultou na morte de Osama bin Laden. Fotografia por Adam Ferguson.

Os cães da variação Malinois são considerados os melhores cães de combate por vários aspectos como inteligência, faro, obediência e ataque. Posso afirmar que são cães dóceis. Tenho a Lua, ela é dessa raça e está com nove anos. Muito rápida e ataca qualquer um que se aproxima de mim muito rápido. Entretanto é um cão dócil que se acostuma rápido com pessoas que lhe proporcionam carinho físico. 

Agora falando da Operação Lança de Netuno, recomendo muito o livro Não Há Dia Fácil onde todo o treinamento SEAL é comentado até o dia da morte de UBL na missão bem sucedida. O livro é fácil de ler e possui imagens de equipamentos e fala bastante da dificílima rotina de um membro do DEVGRU (Força Especial da força especial SEAL que responde somente para o Secretário da Segurança Nacional e para o Presidente dos EUA). 

Antes de finalizar, vou adiantar algumas coisas que o SEAL que escreveu o livro citado acima diz em sua obra sobre o Osama bin Laden. No livro, o autor apresentado como Mark Owen (ele mesmo explica que o nome é fictício por questões de segurança nacional) diz que Osama tinha três nomes entre os SEALs e os analistas da CIA (a agência de inteligência americana). O mais comum era UBL já que em alguns documentos da CIA o terrorista tinha o seu nome traduzido do árabe como Usama e não Osama. O segundo nome foi o divulgado na imprensa logo após o anúncio de seu assassinato. O codinome dado a ele era Geronimo e foi o que vimos na TV sendo divulgado “Geronimo KIA” (KIA é a sigla americana para MEC ou Morto Em Combate). O terceiro e mais interessante é o nome dado ao suspeito de ser o Osama bin Laden pelos analistas da CIA. O terceiro nome era “Caminhante” já que, ao localizarem a casa onde bin Laden se escondia, a CIA apenas via o movimento da casa através de um drone espião (Predator) e percebiam que nos mesmos horários e dias da semana um homem alto saída de dentro da casa por uma porta específica e ficava caminhando por horas dentro do pátio como se estivesse percorrendo um circuito. Mais tarde se confirmara que de fato o “Caminhante” era Osama bin Laden. 

Mais fotos de cães de combate: http://goo.gl/kwrOzH

Compre o livro porque é excelente: http://goo.gl/UFJfE6

24 de Maio, Dia da Infantaria. Soldados ucranianos pró-Rússia durante a batalha de Kiev, este ano, na imagem. Fotografia de Brendan Hoffman. 
É curioso vê-los em formação de coluna, com escudos descansados, em meio as árvores nas primeiras horas da manhã. Impossível não ser levado aos cenários de batalhas medievais. 

24 de Maio, Dia da Infantaria. 

Soldados ucranianos pró-Rússia durante a batalha de Kiev, este ano, na imagem. Fotografia de Brendan Hoffman. 

É curioso vê-los em formação de coluna, com escudos descansados, em meio as árvores nas primeiras horas da manhã. Impossível não ser levado aos cenários de batalhas medievais. 

@aldolammel